Cotidiano e Poesia | Minha lucidez
1361
single,single-post,postid-1361,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,boxed,wpb-js-composer js-comp-ver-4.7.4,vc_responsive

Blog

cats

Minha lucidez

Um dia você acorda você percebe que dormiu demais.

Você acorda com a boca seca e o gosto ruim daquilo que nunca provou.

Você se levanta e seu corpo dói, por todas as danças que nunca dançou.

E então você lembra os lugares que nunca esteve dos mergulhos que você não deu/no mar, na vida.

É você acorda e precisa se atualizar: você descobre que e o que era sério virou brincadeira.

Você acordou e é isso que importa!

Eu não quero mais falar de sentimentos ou do time que vai ganhar o brasileirão. Preciso parar de discutir com os meus silêncios, parar de viver de/para efêmeros, pois sou fiel demais a minha essência.

Estou no para peito dos meus olhos, sou lágrima, sou orgasmo, sou pressenti mento.

Eu sou um jovem senhor, um menino na cadeira de balanço da vida. Sou como um bom blues e um cigarro imaginário/preciso desaprender para finalmente entender que não crescemos por fora, mas por dentro.

Crescemos quando somos honestos, humildes, corretos.

Acordar é compreender que conhecimento não significa inteligência e vice e versa.

Eu aprendi que palavras são como sementes e uma vez semeadas criam raízes profundas (eu aprendi a ouvir mais do que falar)

Eu aprendi que todos nós vivemos num berço invisível. Somos, todos, crianças aprendendo a ser grande.

Todos os dias quando acordo observo o vago/uma lembrança, uma presença, um passeio de, em direção a. Uma brisa, um abraço.

Eu acordei e tenho todos os dias do resto da minha vida, tenho ainda mais uma chance de sufocar o sonho com toda força pra ver se ele luta para sobreviver.

Eu tenho medo e que isso fique claro! Pois que atirem o primeiro livro quem nunca sentiu medo da vida?

Eu acho que eu estava sofrendo de um tipo de miopia existencial, mas, nada como o bom e velho bom senso afinal, somos o que nos permitimos ser.

Devemos encarar as nossas verdades por mais doidas que sejam afinal, verdades são verdades e relativo é o que fazemos com elas.

Sou honesto comigo – minha lucidez e eu (mãos a obra).

.

Petrópolis – 28/05/2015

assinatura

No Comment

Post A Comment