Cotidiano e Poesia | por Vinicius Carvalho
15790
home,paged,page,page-id-15790,page-template,page-template-blog-large-image,page-template-blog-large-image-php,paged-6,page-paged-6,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,boxed,wpb-js-composer js-comp-ver-4.7.4,vc_responsive
1

02 jul Ainda…

  Esvaziei-me, estou em câimbras, nada de mau me habita. Eu descobri que o doce também pode ferir, fui jogado de encontro aos favos, de mel a rochedos. Eu aprendi a não subestimar a força dos arrastos. Eu nasci desamparado, tudo estava seco. Eu voltei…

READ MORE
2

09 jun Extremo

Permanecer seria privar a minha voz num silêncio incomodo- travando-me os lábios, trincando o meu espelho. Mato a idéia do sujeito oculto, pois em mim não vingou a esperança. Eu vejo o preto e branco, mas o quadro da minha vida é em cores. Lambuzo…

READ MORE
2

19 maio Fascinação

Existe algo na palma da minha mão e não é a tua pele. Não explicamos a saudade que temos de ser alguma coisa. Somos noutro tempo, noutro mundo, somos a fascinação do inteiro, a sentença da verdade. Há sempre um sonho que não basta, um…

READ MORE
0

16 maio A vida é tão rara…

Ancoramos nossas flores inspiradas que é pra recomeçar pequeno. Aprendemos na solidão que a lágrima também alimenta, pois é preciso lágrimas para florescer a vida, assim, como precisamos de sorrisos que nos beije a testa. A vida não para pra gente acontecer- eu recomendo verbos,…

READ MORE
0

12 maio Aloha

Somos um encostar de gente, o nó na garganta, o silêncio da casa, o barulho da rua. Somos a pressa de uma tranqüilidade disfarçada/todos acabam experimentando a esperança e o susto. Experimentamos distrações, desespero e paz. Vivemos a espera e os limites. Somos superficiais, mas…

READ MORE
0

17 abr Descabela não…

Ter filhos é sonhar de mansinho é acelerar o motor da saudade. Viver é atuar no tempo depois do desastre. Depois da dor. Viver é descabelar lembranças enquanto uma foto sorri no mural daquela parede. É continuar na estrada dessas minhas memórias lúcido-magoada assanhando um…

READ MORE
0

05 mar Breve (…

  A palavra cala enquanto humanizo os teus olhos quietos. Gosto de pensar que somos um tipo de espelho, gosto de pensar que não existe perfeição e que também falseamos os nossos avessos.  É bom um pouco de certezas, dessa brevidade jorrando vida sobre nós….

READ MORE
2

22 fev Dê-me tempo (…)

Atenta aos motivos, aos desfechos ‘eu deveria ter tido mais tempo. Tempo de menina ou menino, de boneca e pipa, mas, voei com o vento “como que vai com a maré”. Dê-me tempo e inocência assim sem sentido apenas EU. O tempo desarruma as nossas…

READ MORE
1

06 fev É – fascinação

-Devaneios descontrolados tecendo gemidos imaginados, umedecendo versos (o olho do furacão. O fascínio de um orgasmo coagulando a falta. Eu sinto a tensão invadir o meu silêncio mais oblíquo enquanto me deixo levar por tuas invenções. Nas tuas invenções fui contorcionista, fui eu a vibração…

READ MORE